Brasblog

Oito Dicas Para Aumentar a Produtividade na Usinagem

Maior produtividade e redução de custos estão (ou pelo menos deveriam estar) entre os objetivos principais de 10 entre 10 profissionais de usinagem. Num ambiente de volume de negócios reduzido e acirramento da concorrência, a necessidade de aumentar a produtividade tornou-se fundamental para quem quer se manter no mercado. Não há caminho para se alcançar a competitividade que não passe pelo aumento da produtividade.

Para especialistas em ferramentas de corte, ser mais competitivo hoje exige em primeiro lugar que o profissional ou os profissionais da área de usinagem de uma determinada empresa – seja ela de pequeno ou grande porte – esteja atualizado, informado sobre os lançamentos e novidades tecnológicas nas áreas de ferramentas de corte, máquinas, ferramentas, sistemas de fixação e tudo o mais que envolva a operação de usinagem.
“Os fabricantes de ferramentas estão constantemente desenvolvendo novas ferramentas, cada vez mais produtivas e mais eficientes. É preciso que os responsáveis pela área de usinagem das empresas façam um acompanhamento dessas novidades, inclusive com a realização de testes para verificar na prática os benefícios”, diz Ricardo Freitas, gerente de Marketing e Treinamento da Iscar do Brasil.
Para Guilherme Milatias, especialista de Processo da Sandvik Coromant do Brasil, estar atualizado é fundamental para os responsáveis pela área de usinagem das empresas. E ele lembra que essa tarefa – a de estar atualizado – foi muito facilitada pelos fabricantes de ferramentas. “Hoje, a maioria das informações sobre as novidades estão disponíveis nos websites dos fabricantes, que também já oferecem cursos e treinamentos online, inclusive sobre estratégias para o aumento da produtividade”.

Algumas dicas para aumentar a produtividade – A relação abaixo, feita com a colaboração dos profissionais citados acima, não pretende abranger todos os itens para se alcançar a produtividade – o que exigiria uma relação bem mais extensa. Pode-se dizer que reúne a base para um programa de aumento da produtividade.

  1. Aumentar os parâmetros de corte da ferramenta, respeitando os limites de cada uma e a qualidade da peça.
  2. Escolher uma classe de metal duro e geometria da pastilha mais otimizada para uma determinada aplicação ou material de usinagem (os especialistas lembram que o universo de opções é vasto e existem muitas variáveis, e recomendam a realização de testes comparativos).
  3. Diminuir os balanços da ferramenta de corte, permitindo assim maior rigidez no sistema de usinagem e com isso possibilitar o aumento dos parâmetros de corte.
  4. Aumentar a pressão do líquido refrigerante (na concentração e pressão adequadas), possibilitando maior vida útil das ferramentas e os aumentos de parâmetros de corte – isto , é claro, nos casos em que o uso de refrigeração é indicado.
  5. Melhorar a fixação da peça, possibilitando o aumento dos parâmetros de corte, sempre respeitando os limites da ferramenta.
  6. Alterar a estratégia da programação (aqui vale lembrar que os softwares de CAD/CAM já oferecem algumas estratégias que otimizam o processo de usinagem, reduzindo o esforço de corte, permitindo o aumento dos parâmetros de corte e consequentemente a produtividade. Daí, também, a importância de estar atualizado também nesse campo).
  7. Escolher a máquina correta para a aplicação que irá realizar, em termos de potência, rotação mínima e máxima do spindle, levando em conta o material que será usinado, assim como a geometria e o tamanho da peça, entre outros fatores.
  8. Trabalhar com o magazine de ferramentas sempre cheio, de preferência com o maior número possível de ferramentas gêmeas para minimizar as paradas para trocas de ferramentas, evitando longos e repetitivos períodos sem produção.
Tag:

Categorizados em: ,